Tuesday, December 05, 2017

Mais uma noite sem pontos para as equipas portuguesas

Benfica e Sporting perderam pelo mesmo resultado com Basileia em casa e Barcelona fora, respetivamente. O Benfica terminou o périplo pela liga milionário com zero pontos, catorze golos sofridos e apenas um golo marcado. Quanto ao Sporting, segue para a Liga Europa com Juventus e Barcelona a ocuparem os lugares de apuramento no grupo.

Como o Benfica joga apenas para cumprir calendário, concentremo-nos mais no Sporting que vai jogar em Barcelona contra a colossal equipa dessa cidade.

E o Basileia já vence no Estádio da Luz.

Denis Suarez remata de longe e por cima.

André Gomes também tenta a sua sorte de longe mas o remate vai ao lado.

Com uma estrondosa defesa com as pernas, Rui Patrício nega o golo a Suarez.

O primeiro cartão amarelo em Barcelona e exibido a Alan Ruiz por entrada sobre Piqué.

Saiu o cartão amarelo para Nelson Semedo.

Ao intervalo o Benfica perde com o Basileia por 0-1 e regista-se um nulo no marcador entre o Barcelona e o Sporting.

Bas Dost e Gelson Martins apresentam-se para a segunda parte. Ernesto Valverde responde a Jorge Jesus e Messi salta do banco para aquecer. Trunfos jogados para os quarenta e cinco minutos que faltam.

Vidal remata para fora.

Gelson Martins tem uma jogada individual daquelas que colocam os adeptos em qualquer estádio do Mundo em delírio. Pena ter finalizado ao lado.

Na sequência de um canto, o Barcelona chega ao golo por Paco Alcacer.

Aí vem ele! O Messi.

Quase que Bas Dost empatava.

Na Luz, o Basileia marca mesmo. É o segundo golo.

Rui Patrício nega o golo a Messi que já ali está outra vez para fazer estragos.

Mais uma vez, Bas Dost cria perigo.

Mathieu marca na própria baliza a favor da sua equipa anterior.

Os dois jogos terminam ao mesmo tempo com duas derrotas para as equipas portuguesas. O Sporting segue para a Liga Europa.




Comida, bebida, convívio…

Frequentemente, sonho que há festa lá na aldeia. Desta vez as coisas funcionavam de forma um pouco diferente.

Havia um recinto parcialmente coberto com comida, muita bebida e muita gente. Havia um grupo de atletas vindos de Espanha que também estavam presentes. Eu preparava-me para comer e beber bem mas o meu vizinho sempre foi insistindo que não podia beber mais cerveja, apesar de ela sempre me saber ao néctar dos deuses nos sonhos, vá-se lá perceber porquê.

Acabei por encontrar outras pessoas e acabei por beber uns copos com elas.

Mais tarde perguntei se haveria fogo de artifício no arraial daquela noite. O meu vizinho disse que este ano não iria haver. Era estranho. Estava um pouco desolada por esse motivo.

Acabei por acordar. A manhã estava fria, mas não tão gelada como ontem.

Monday, December 04, 2017

“Não havia uma subida…?”







Mais uma vez, visitámos Penela para mais uma caminhada. Desta vez não fomos ao Castelo, por acaso.

Não sabia em que condições vinha para esta jornada que se afigurava um pouco dura. Os problemas de saúde que me afetaram na última semana levavam a que não soubesse como estaria para abordar as agruras do percurso.

Logo de início, as sensações foram boas, o que me deixou um pouco mais tranquila. Falava-se em subidas íngremes e eu estive a resguardar-me para elas. E se não estivesse?

Houve uma primeira inclinação que requeria algum cuidado devido à gravilha e ao gelo no chão. Logo aí fiquei a saber que não havia nada a temer quanto ao estado físico.

Sensivelmente a meio da caminhada, houve uma subida. Estando-me a resguardar para uma subida ainda mais difícil, fui nas calmas. O que é certo é que eu ia na frente do grupo também aí. Quando parámos para reagruparmos e comermos alguma coisa, foi informado que a partir dali ira ser quase sempre a descer, o que para mim não seriam boas notícias. “E aquela subida difícil?”- perguntei eu. “Já a passámos.”- disse o Pedro. “O quê?!!!”- eu continuava incrédula. O problema daquela subida não foi a inclinação mas sim o estado do trilho com paus e troncos no meio do caminho. Se calhar era por isso que devia ser difícil.

A descer, as coisas são diferentes para mim. Valeu mais uma vez a ajuda preciosa dos companheiros que são incansáveis.

Tudo correu bem. Afinal de contas, estava completamente recuperada. Pronta para outra.

Wednesday, November 29, 2017

Avistaram Gabigol numa agência bancária e numa praia

E Nuno Matos fartou-se de perguntar por onde andava Gabigol. A resposta, um pouco atabalhoada, diga-se, surgiu do meu subconsciente.

Pois é, andava tudo à procura do Jogador Número Onze do Glorioso SLB. No Seixal a treinar é que não estava.

Então surgiram dois relatos de avistamento de Gabriel Barbosa numa agência bancária. Sim, ele tem cara de quem vai muito ao banco. Se calhar vai mandar guardar o chorudo ordenado que aufere, apesar de não jogar. Há quem diga que ele deveria ter mais oportunidades mas o treinador, que trabalha com ele todos os dias, é que sabe como ele treina diariamente. E que dizer então da pessoa que afirma tê-lo visto no banco? Se Gabigol tem cara de quem não passa parte do tempo em filas de bancos, então o jovem que afirma que o viu lá muito menos. Ele existe na realidade. Chama-se Eslam. Conheço-o do Instagram. Não sei se ele sabe quem é o Gabriel Barbosa.

Completamente desconhecida é a rapariga que afirma tê-lo visto na praia. Sim, esse realmente era um sítio onde um baldas deveria estar mesmo. Se o tempo está bom, quem não trabalha vai para a praia. A jovem chamava-se Rita e contou como o jogador brasileiro passou a tarde refastelado na praia enquanto os companheiros buliam no Seixal. Não se sabe se a Rita o avistou ou foi mesmo ter com ele. Ela simplesmente disse que o viu.

Também constava que Júlio César não se treinava mas estava devidamente autorizado para consultar especialistas para o tratamento da sua lesão.

P.S.: Gabigol não foi avistado nem num banco, nem numa praia. Foi visto num local mais que óbvio para jogadores que gostam de curtir e se baldam aos treinos- na discoteca. A porta da saída está escancarada para ele. Júlio César rescindiu com o Benfica devido aos problemas físicos que realmente o afetam. Saiu de cabeça erguida como os campeões devem sair de um clube quando, inevitavelmente, chega a hora de partir. Não deixa de ser curioso eu ter sonhado com os dois.

“A Nossa Mente À Note” (impressões pessoais)

Os habituais seguidores deste meu humilde espaço sabem que os sonhos são uma temática pela qual eu nutro bastante estima. Parte do conteúdo do meu blog e composto precisamente pela descrição de sonhos.

Fiquei a saber através da leitura deste livro, que as pessoas que se interessam mais pelos sonhos e que os recordam são mais intuitivas e criativas. Exatamente como eu sou. Eu nem sempre tenho ali o caderno à cabeceira para registar os sonhos. Tenho-o mais a frente e registo os sonhos por tópicos que vou desenvolvendo. Talvez muitos pormenores me escapem mas já aqui brindei os meus estimados leitores com grandes narrativas oníricas, umas mais bizarras do que outras. Algumas davam mesmo um belo argumento para um filme.

Fiquei também a conhecer história incríveis de sonhos que deram origem a grandes ideias. Talvez a mais gritante tenha sido esta música que dispensa apresentações e que foi sonhada por Paul MacCartney certa noite. Eu não sabia disso.


Apesar de esta obra fazer uma abordagem mais técnica e mais científicaà temática do sono e dos sonhos, adorei a sua leitura. Havia muita coisa que desconhecia, nomeadamente as partes do cérebro que poderão estar na origem da bizarria das tramas oníricas e sobretudo do exacerbar de emoções que por vezes nos acompanham ao longo do dia, sobretudo quando são negativas.

Curiosamente não vi nesta obra nenhuma referência à paralisia do sono, algo que influencia e de que maneira o decorrer de uma noite. Talvez o aproximado que tenha havido tenha sido a abordagem dos sonhos lúcidos que também poderão ter origem nesse estado.

Em suma, tratou-se de uma abordagem diferente de uma temática pela qual nutro bastante curiosidade.

Quando tens imensos planos para o fim de semana e eles saem todos furados

Ele há fins de semana assim. Fins de semana extremamente bem preenchidos, bem programados mas...eis que algo os vem destruir num ápice e esse algo é o imponderável de se ficar doente.

Aconteceu-me este fim de semana. Tinha as minhas habituais atividades de Sábado que consistiam em ir nadar e estar com os amigos. Ao invés, foram forçosamente substituídas pela cama, pelo mal-estar, pelas voltas dadas sem saber em que posição estaria mais confortável, pela prostração. Nem tudo foi mau de todo. Deu para acompanhar os jogos de Futebol todos, apesar de a disposição andar pelas ruas da amargura.

No Domingo iria ter uma caminhada solidária que também tive de desmarcar. No estado em que me encontrava, nem conseguiria ir até à esquina, quanto mais fazer uma caminhada. Bem, sempre deu para terminar o meu livro há muito inacabado.

A maleita pedia descanso. Havia que aproveitar o fim de semana para descansar um pouco. Segunda-feira, mal ou bem, teria de ir trabalhar como estivesse.

Monday, November 20, 2017

Celso Pombinho e outras peripécias oníricas

Para além de mal dormida, esta noite foi repleta de inúmeras aventuras oníricas bem estranhas que me fizeram, mais uma vez, tirar do sério.

Sonhei que os programas de rádio que normalmente costumo ouvir estavam todos trocados. Havia uma espécie de guerrilha declarada da Comunicação Social que levava a que alguns animadores se opusessem a outros. Era estranho.

Então baralharam a programação toda das rádios e foram introduzidos elementos novos. Às cinco da tarde, tínhamos a fazer programa um tal de Celso Pombinho que não tinha grande jeito para o ofício de animador de rádio. Passava música e pouco mais.

Estava eu a ouvir o programa lá em casa, quando me apercebi com horror que já estava escuro. Logo tentei vir para a cozinha que sempre tinha janelas. A minha mãe falou-me da casa de forno ou não sei de onde que para a próxima podia ser tarde demais. Quando acordei, depreendi que talvez houvesse ali uma mensagem mas o que significava? Fiquei ali a refletir no assunto até voltar a adormecer.

Agora a questão é bem mais intrigante e leva-me à loucura. Chego a casa e à minha espera estão a minha mãe e a minha irmã. Querem-me internar compulsivamente numa clínica...na Sertã. Isto porque eu estou muito gorda, imagine-se. Olhei para a minha irmã e pensei: “e tu?”. Eu sempre argumentei que tinha de ir trabalhar, que não podia meter baixa, que o meu trabalho ninguém o fazia...nada as demovia.

Não tive outra alternativa, que não fugir-lhes. Até atravessei um semáforo vermelho para peões.

Não me livrei dos problemas. Fui para picar o cartão e constatei que o código de barras estava danificado.

Isto foi sempre a subir em termos de peripécias. Se continuasse a dormir, que mais me iria acontecer?

Resta dizer que acordei mais tarde. Não estava em condições de ir correr devido à dureza da caminhada de ontem. Vamos a ver amanhã...

Logo aos primeiros metros, soubemos logo ao que vínhamos







Fazia um frio cortante junto aos moinhos em Penacova. Já antes ali havíamos estado, num dia de muita chuva, a seguir ao grande temporal.

As dificuldades começaram logo aos primeiros metros com trilhos muito íngremes a descer. Iria ser assim ao longo dos mais de dez quilómetros do percurso. Indubitavelmente, esta foi, para já, a caminhada mais difícil desta época.

Dada a dureza do percurso, uma vez mais, contei com a preciosa ajuda dos meus companheiros a quem não podia deixar de agradecer. Foram incansáveis, apesar de as dificuldades serem para todos, uns com mais do que outros.

No final, havia a alternativa de ir pela estrada. Claro que fui por lá.

No único trilho de terra batida que houve, entusiasmei-me e ia na frente. Só que andava também por ali outro grupo. Pensando que se tratava de elementos do nosso grupo, seguia com eles. Só depois me chamaram para trás.

No final desta caminhada, merecemos bem confraternizar com castanhas, jeropiga e dança.


+

Viagem inesperada a Angola

E a música nem podia ser outra. Siga!


Depois de vir do trabalho ainda fui ver as notícias. Falava-se sobre as mudanças políticas em Angola e o meu subconsciente, tal como havia acontecido há uns anos atrás, levou-me até lá.

Da outra vez, o que havia motivado a minha viagem onírica a Angola tinha sido um folheto, hoje é uma notícia. Da outra vez o sonho foi desolador, pois fui para Angola e não estava a gostar nada. Tudo era de cores baças e tristes.

Desta vez apenas fazia os preparativos para o regresso. Não sei como, o meu subconsciente havia guardado a informação da viagem da outra vez. Ela realizou-se mesmo. Um sonho dentro de outro.

A viagem tinha fins humanitários. Iria ajudar e estava muito entusiasmada, apesar da experiência anterior. Preparava tudo com afinco e falava com a minha mãe na casa de forno sobre o que iria fazer e o que iria encontrar. Ela, como não podia deixar de ser, mostrava algumas reservas, apesar de eu lhe garantir que ia correr tudo bem.

Tudo estava pronto para seguir viagem. Só não sabia onde tinha deixado o encarregado do telemóvel e muita falta me iria fazer para tirar fotos.

Acordei. Nada do calor de África. A manhã estava fria.

Tuesday, November 14, 2017

O que é um jogo de Futebol comparado com o que fizeram?

Antes do jogo entre Portugal e os Estados Unidos, não posso calar a minha revolta pelo que fizeram ao Pinhal de Leiria- um símbolo nacional com tanto significado e tanta história. Algumas horas de fogo bastaram para destruir oito séculos de história, o tempo que durou o incêndio. Mas que género de portugueses são capazes de fazer uma coisa destas? Criaturas como essas nem devem ser apelidadas de pessoas, quanto mais de portugueses. Não têm amor à Pátria. São uns monstros. Mas o que lhes passou pela cabeça para queimar o Pinhal de Leiria? É simplesmente triste e desolador, revoltante até, ver desaparecer uma parte tão importante e tão simbólica de Portugal. Uma tristeza!

Os Estados Unidos começam por criar perigo mas Beto segura. Os Estados Unidos continuam a carregar por Acosta.

Pepe parece lesionado. Neto aquece e parece que vai entrar mesmo a frio. Pepe sai a coxear e entrega a braçadeira de capitão a Danilo Pereira. Se aquilo é coxear ligeiramente, senhor jornalista, coxear bastante deve ser arrastar-se pelo chão. Ele estava a coxear imenso.

O Gelson agora também se lesionou? Isso é que seriam más notícias para o Sporting. Está muito frio, as lesões podem aparecer. Vamos a ver se o Gelson aguenta!

Bruma falha um golo quase certo. Que perigo!

Sai mais um remate do Jogador Número Vinte E Três dos States que é o Acosta.

Adams tenta a sorte mas Beto controlou a situação.

E o Jogador Número Oito dos Estados Unidos faz um golo que já se adivinhava e fez gelar ainda mais as bancadas de Leiria.

Um golo bem estranho dá o empate a Portugal. O guarda-redes dos States meteu ali água. Ainda bem! Digno de apanhados. Acho que foi o Antunes a cruzar. A quem foi atribuído o golo?

Saiu bomba de Manuel Fernandes, talvez a testar o estado anímico do guarda-redes norte-americano.

No meu entender, Antunes está a ser um dos melhores da nossa seleção.

Outra vez o guarda-redes dos States a fazer asneiras, desta vez jogando com os pés. Talvez Bruma se tenha deslumbrado. Nota-se que treme que nem varas verdes, o indivíduo.

Onde é que joga mesmo este camarada? Tenho de ir ver. Que desastre de guarda-redes! Agora segurou a bola nas mãos…

Donald Trump estará a ver este jogo? Se está, sai um tweet daqui a nada a decretar que não quer aquele guarda-redes a defender a baliza dos States.

Tira notas, o selecionador dos Estados Unidos. Ao intervalo terá de fazer alterações na baliza.

A bola entra na baliza de Beto mas tinha havido uma falta atacante.

Ah, afinal ele defende alguma coisa!

Chega-se ao intervalo com um empate a uma bola. O resultado aceita-se.

Tal como eu previa, vai haver alteração na baliza norte-americana.

Beto nega um golo que o jogador dos Estados Unidos já festejava.

Mais uma vez, Beto tem de se aplicar.

Agora é a trave que nega o golo ao jogador que marcou o golo dos Estados Unidos na primeira parte. Portugal está a começar a segunda parte do jogo como tinha começado a primeira- a entrar completamente em falso.

Bruma agora cria perigo.

Quase que Gonçalo Paciência marcava mas a bola foi à trave.

Beto defende mais um lance de perigo dos norte-americanos.

Antunes aplica uma bomba. Quase que era um golo que o Jogador Número Cinco da Seleção de Todos Nós já merecia.

Williams remata ao lado.

Termina o jogo com um empate a uma bola. O importante foi mesmo ajudar todos aqueles portugueses que perderam as suas casas nos incêndios.




Monday, November 13, 2017

As minhas atividades

Sonhei que havia uma atividade da ACAPO numa praia fluvial. Uma cantora que estava a ter muito sucesso tinha sido convidada para abrilhantar o programa. Ela chamava-se Cândida Sofia e estava em primeiro lugar com uma música muito ordinária.

Eu não queria saber da música dela para nada. Queria saber de andar na água, pois é disso que eu gosto. Haviam umas pontes de madeira no rio. Disseram-me que eu podia nadar até uma ponte que ficava mais distante mas, à medida que eu avançava, a agua ia ficando menos profunda, transformando-se em lodo e lama e não dando para nadar.

Agora o meu sonho muda de rumo. Estou no meu quarto lá em casa sozinha a ler um livro. Já há uns anos tive um sonho muito semelhante. Estou a ler um livro de um autor português clássico. A certa altura, achei melhor parar. Estava a ter uma sensação estranha e desagradável. Um misto de tristeza, vazio, desolação, medo...Não compreendia o que se estava a passar.

O sonho muda de cenário novamente. Não estou só. Ali algures numa estrada, concentra-se um enorme grupo que vai correr ou caminhar. Alguns envergam coletes de guia. Ali encontram-se antigos colegas meus do Desporto, atletas recentes que já não cheguei a apanhar, colegas da ACAPO que nunca fizeram desporto e...colegas de trabalho. Havia também imensos figurantes- pessoas que não consegui identificar. Perfeitos desconhecidos que estavam a participar.

“Ainda por cá andas?!!!”- saudei eu o Nuno Alves que reconheci no meio da multidão. Ali estavam também outros que agora participam nos Jogos Paralímpicos. Gente que eu não conheço nem eles me conhecem a mim.

Soou o tiro de partida. O pelotão colorido começou-se a afastar. Eu ia com uma colega minha de trabalho. Acho que ela era minha guia mas, a certa altura, vendo todos se afastarem, já a arrastava. Berrei-lhe que havia que apressar. Estávamos a ficar demasiado para trás e podiamo-nos perder.

Por falar em correr, mais uma semana de corrida se avizinhava ao toque do despertador.

Mel de castanhas

Decorreu nas instalações da ACAPO mais um magusto. Este ano, o evento contou com a presença de um apicultor da zona da Lousã que nos esteve a ensinar a arte de produzir mel.

Com os incêndios que devastaram fortemente a Serra da Lousã, o Senhor Vicente ficou sem noventa colmeias.

A seca que Portugal atravessa também será um problema para as abelhas. É necessário depois comprar-lhe comida para as alimentar no Inverno. Cada colmeia requer tempo, dinheiro e dedicação.

Para além do mel, não podiam faltar as castanhas assadas a crepitar no terraço. Para as acompanhar, a apetitosa jeropiga e a musica dos Foles E Cantorias de Santa Clara.

Caía a noite já quando a festa terminou. Mais uma tarde bem divertida.

Friday, November 10, 2017

Mostrando serviço

Mais de seis mil espetadores deslocaram-se ao Estádio do Fontelo em Viseu numa noite fria e viram Portugal a vencer a Arábia Saudita por 3-0. Manuel Fernandes e Gonçalo Guedes regressaram à Seleção muito tempo depois e logo se viu que estavam empenhados em mostrar serviço. O resultado deste encontro era o que menos interessava, mais importante era ajudar as pessoas que perderam tudo nos incêndios a refazerem as suas vidas.


Hoje o resultado e o que menos interessa. Muito mais que um jogo de Futebol.

Kevin Rodrigues é uma estreia absoluta na Seleção De Todos Nós. Por sua vez, Manuel Fernandes reaparece muitos anos depois.

O regressado Manuel Fernandes abre as hostilidades quanto a remates nossos diz respeito.

João Mário envia a bola à trave. Portugal carrega.

Cheira a golo de Portugal que pode acontecer a qualquer momento.

Quase que Gonçalo Guedes marcava depois de um canto.

Só agora a Arábia Saudita chega à nossa área com perigo.

Nem num jogo particular e solidário Pepe deixa de ver o cartão amarelo.

Danilo remata por cima depois de muita confusão e depois de o guarda-redes árabe ter metido imensa água.

Manuel Fernandes andava desde o início do jogo à procura do golo. Agora conseguiu-o. Fez por merecer.

João Cancelo remata com perigo.

Gonçalo Guedes remata por cima.

Saiu cartão amarelo também para o Jogador Número Dezoito da Arábia Saudita.

Saiu o enésimo remate de Gonçalo Guedes neste jogo. Também ele procura o golo. Está em excelente forma.

Quase que era o segundo golo da Seleção De Todos Nós.

Saiu mais um vistoso remate de Gonçalo Guedes. Já merece um golo! Sem dúvida.

Vamos para intervalo a vencer apenas por 1-0, apesar das inúmeras oportunidades.

Ricardo Pereira entra para o lugar de João Cancelo. Entretanto Portugal cria perigo.

E Gonçalo Guedes também consegue um golo que andava a perseguir e que já merecia. O passe foi de Ricardo Pereira. Foi mais de meio golo.

Tinha entrado há escassos minutos e logo aplicou um dos seus inconfundíveis remates. Estou a falar de Bruno Fernandes.

Agora o jogo decaiu de qualidade e de interesse. Troca-se a bola a meio-campo.

Bruma que também se estreia remata com perigo.

A Arábia Saudita agora mostra um ar da sua graça.

O jogo termina com aquilo que pode ser considerado a cereja no topo do bolo- um enorme golo de João Mário. Era o golo que o público de Viseu vinha pedindo das bancadas.

Gelson também tenta fazer um brilharete mas sem perigo.

O jogo termina mas na próxima terça-feira, em Leiria, nova jornada solidária está marcada para ver também mais estrelas de Portugal e dos Estados Unidos.






Foram a uma corrida e não me disseram nada

Estou a conhecer um pouco do mecanismo dos sonhos através da leitura de um livro que conto esmiuçar nos próximos dias. Mesmo assim, o mundo onírico continua para mim um mistério. Mas há necessidade de eu me chatear sempre durante os sonhos? Pelo que leio, sou eu e toda a gente que sonha ou se lembra do que sonhou.

Introdução feita, vamos ao problema onírico da noite de 10 de Novembro de 2017.

Cheguei um dia ao terraço da ACAPO que mais se assemelhava ao pátio da minha escola primária. Segundo o livro que ando a ler, enquanto dormimos, o nosso cérebro vai selecionar memórias e mistura-as umas com as outras, criando estes cenários tão estranhos.

Duas amigas minhas que se destacavam do grupo exibiam umas t-shits rosa choque um pouco mais claras do que as que havia na caminhada do cancro da mama onde o mesmissimo grupo do sonho esteve todo presente. Eu perguntei onde é que elas tinham arranjado aquelas camisolas e entretanto vi mais gente com camisolas iguais.

Então disseram-me que no dia anterior tinha havido uma corrida. Fiquei fora de mim. Então havia uma corrida e não me disseram nada? Comecei logo ali a disparatar, até porque eu, apesar de não correr por aí além, sempre corria melhor do que aquele pessoal todo junto. Mas há dúvidas?

Então algo estranho aconteceu, algo que também li no meu livro que pode acontecer no mundo dos sonhos. A minha colega quis oferecer-me a sua camisola que era rosa, saliente-se. Porém, quando a camisola passou para as minhas mãos, ficou vermelha. Nem parecia a mesma.

O despertador tocou. Ia mesmo correr.

Amanhã irei estar com muitos dos protagonistas deste sonho, se não com todos. Ainda me vou rir.